Quais são os chás de ajudam a manter a diabetes controladas?

Você já ouviu falar no “Super Chá da Vida”? Cada vez mais esta bebida vem ganhado a popularidade de médicos especialistas e pacientes que sofrem de diabetes. O chá vem sendo bastante indicado por profissionais da saúde como uma forma de terapia natural, altamente capaz de controlar a doença e aprimorar a qualidade de vida dos diabéticos.

Como se sabe, o diabetes se divide em dois tipos: O 1 e 2. A principal característica da doença é a elevação dos índices de glicose no sangue, por conta de complicações na ação da insulina, cuja função é promover a entrada da glicose nas células do nosso corpo.

Enquanto no caso do tipo 1 o paciente desenvolve a doença por fatores como a genética ainda na infância ou adolescência, o tipo 2 é causado em adultos pelo sedentarismo e a má alimentação.  Quando uma pessoa desenvolve o tipo 2, é necessária toda uma reeducação alimentar e mudança de hábitos, para controlar e conviver com a doença, uma vez que ela não tem cura.

Em meio a mudanças de hábitos, entra os chás que ajudam a controlar o diabetes. Muitos chás naturais são altamente eficazes na diminuição da glicose no sangue. Neste artigo, nós trazemos os 3 chás mais receitados para pacientes diabéticos. Confira!

  1. Chá Verde: O Chá Verde é uma bebida altamente benéfica para o organismo e a saúde de modo geral. No diabetes, ele é recomendado por conta de suas propriedades antioxidantes. Para o preparo do chá, a água não eve ser fervida, do contrário seu gosto ficará muito amargo.
  2. Chá de pata de vaca: Outro chá bastante recomendado pelos médicos é o pata de vaca. A bebida possui diversas propriedades como: Diurética, analgésica, laxante e vermífuga. Além disso, o chá também é hipoglicêmico, ajudando na diminuição dos índices de açúcar.

Seu preparo é bem simples, bastando ferver as folhas junto da água e em seguida, coá-las.

  1. Chá de Camomila: Por se tratar de um chá anti-inflamatório, o chá de camomila também auxilia a prevenção de determinadas complicações do diabetes tipo 2. Sua preparação consiste em ferver a água e depois acrescentar as folhas. Depois, é só coar.

O consumo do chá e o acompanhamento médico

Ter conhecimento e cuidado do diabetes são fatores fundamentais para enfrentar a doença. Embora os chás sejam altamente benéficos em relação a doença, a consulta e acompanhamento médico se fazem necessárias.

Vale ressaltar também que a utilização de qualquer tratamento alternativo deve ser orientado e acompanhado por um médico especializado na área, uma vez que alguns diabéticos dependem do uso de medicamentos para controlar a doença, como no caso dos pacientes que sofrem do tipo 1 do diabetes, que necessitam aplicar a insulina.

Não se esqueça de que aliar o consumo do chá com a prática de exercícios físicos regulares e uma boa alimentação. Diabéticos também podem fazer o controle do açúcar no sangue através de aparelhos para serem utilizados em casa.

Doces industrializados que fazem menos mal a quem tem diabetes

O número de pessoas que sofrem de diabetes no mundo é bem alto. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) só no Brasil, mais de 16 milhões de pessoas são afetadas pela doença.

Por conta desta condição, há um grande índice de indivíduos com restrições alimentares, e com isso há uma grande preocupação com a saúde (o controle da doença) e a obrigação de reduzir o consumo de alimentos com açúcar. No entanto, nós sabemos que não é fácil adotar um novo estilo de vida longe de chocolates e outras irresistíveis sobremesas.

Pensando neste público, a indústria alimentícia pouco a pouco vem desenvolvendo doces diet, para que os diabéticos possam consumi-los sem grandes consequências. O que é um avanço, pois apesar do número espantoso de diabéticos no Brasil, o mercado de alimentos desenvolvidos exclusivamente para este público é bem pequeno.

Mas, você sabe quais são as opções de doces industrializados para diabéticos? Neste artigo, nós trazemos algumas opções. Como dito, não são muitos, uma vez que o mercado tem começado a produzi-los recentemente, mas já quebram um grande galho. Confira!

  1. Cocada diet: Um doce rico em açúcar, especialmente em sua versão industrializada, a cocada é um dos doces favoritos dos brasileiros e, deixar de comê-lo pode ser um tanto difícil. O lado positivo é que a cocada diet é um dos poucos doces que podem ser encontrados à venda. Talvez encontrá-lo possa ser um pouco mais difícil do que os demais doces que citaremos a seguir, portanto, a sugestão também é fazer a cocada diet caseira, que é igualmente saudável e muito mais gostosa.
  2. Compota diet: Sabe aqueles “doces de vó” que encontramos em supermercados? Pois é, esta sobremesa também possui a sua versão diet. O melhor de tudo é o gosto é praticamente o mesmo ao da versão original do doce. É possível encontrar as compotas nos mais variados sabores, como de frutas, por exemplo. Até mesmo o doce de leite presente na maioria das compotas pode ser consumido pelos diabéticos, portanto, coma sem medo!
  3. Paçoca diet: Quem é que não gosta de paçoca? Um doce simples e bastante delicioso, as paçocas rolhas são os doces favoritos de muita gente. Algumas marcas especializadas em paçocas já possuem a sua versão diet, que pode ser consumida não só por este público mas por qualquer pessoa, já que o seu gosto é idêntico ao da versão original. A diferença só está na ausência de açúcar.
  4. Chocolate diet: O campeão dos doces e sem dúvidas a guloseima mais difícil de abandonar quando se descobre o diabetes. Antes, a maioria das marcas de chocolates já contava com a sua versão “zero açúcar”, e hoje também têm se investido na versão diet do alimento.

É o doce perfeito para os amantes de chocolates, mas que devem ter uma ingestão controlada de açúcar. O melhor é que eles são fáceis de serem encontrados: Supermercados, lojas de chocolates, shopping, farmácias e bombonieres.

7 frutas indicadas para quem tem diabetes

Ripe fresh fruit. Wholesome food.

Um pensamento errôneo que muitas pessoas que sofrem de diabetes têm é que a doença é sinônimo de restrição alimentar. Diabetes não significa restrição, e sim reeducação alimentar.

Sendo assim, não é necessário deixar de comer frutas pelo fato de elas conterem frutose – açúcar natural. Pelo contrário, o consumo de determinadas frutas deve continuar, mas em porções adequadas.

Neste artigo, nós listamos as 7 frutas mais indicadas para os diabéticos. Confira!

  1. Maçã: Fonte de uma série de vitaminas, na dieta de um paciente diabético quem ganha destaque é a fibra pectina. A pectina se mostra eficaz não só no controle da glicemia, como também na diminuição do colesterol ruim.
  2. Cereja: A cereja possui uma alta concentração de flavonoides, que possuem poderes antioxidantes, anti-inflamatório, antialérgico, antiviral e anti0carcinogênico. E não se engane: A pequena frutinha é composta de vitaminas A, C e E, que unidas restringem a propagação de lesões ocasionadas pelos radicais livres – responsáveis pelo nosso envelhecimento. No entanto, é necessário ter cuidado com o consumo da cereja, uma vez que ela aumenta os níveis glicêmicos.
  3. Blueberry: Apesar de não ser uma fruta brasileira, a blueberry atua um papel fundamental na dieta dos diabéticos. Assim como a cereja, a fruta conta com poderes antioxidantes, prevenindo não só o envelhecimento, mas também do câncer, doenças cardíacas e mal de Alzheimer. A frutinha também tem um alto nível glicêmico, por isso seu consumo deve ser moderado.
  4. Abacate: Pelo fato de quase não conter açúcar e por ser rico em gordura que eleva o bom colesterol, a fruta é recomenda por pacientes diabéticos. Além do mais, a gordura nobre deixa o procedimento de absorção dos demais alimentos mais devagar, prolongando assim a sensação de saciedade.
  5. Limão: A fruta é rica em rico em ácido cítrico e ácido ascórbico e age de forma positiva em distintas áreas do organismo.

É importante ressaltar que o limão é capaz de evitar hemorragias, o que é uma grande preocupação para os diabéticos, já que a dificuldade de cicatrização pode ocasionar no risco de infecções. Além do mais, a alta concentração do ácido nicotínico protege as artérias, prevenindo de doenças cardiovasculares (pacientes diabéticos tendem a desenvolver a doença).

E não para por aí. A pequena fruta reduz a viscosidade do sangue, o que é muito importante, já que junto do desenvolvimento da doença, surgem modificações que inclina a um maior risco de trombose.

  1. Coco: O coco é um fundamental combatente de fungos e bactérias. Rico em ácido láurico e ácidos graxos, elas cumprem um papel fundamental na nutrição das células intestinais, aprimorando a imunidade do organismo. A gordura da fruta também auxilia na sensação de saciedade, diminuindo as chances de inflamações.
  2. Amora: Apesar de ter um alto índice glicêmico, a amora é rica em substâncias que incentivam e aceleram a liberação de insulina, aprimorando a síntese de glicose.

A amora também é capaz de normalizar a pressão da artéria e de agir como bactericida e anti-inflamatório.

As melhores ervas medicinais para diabéticos

Nos dias de hoje, o tratamento alternativo à base de ervas medicinais para diabetes é algo procurado por muitos pacientes que sofrem da doença.

Embora elas não substituam os medicamentos e a mudança de hábitos, as ervas medicinais servem como um complemento e grandes aliadas dos remédios e alimentação na manutenção e controle do diabetes.

Hoje, a combinação de plantas e ervas medicinais usadas na composição do popular “Super Chá da Vida” vem auxiliando diversos pacientes, auxiliando a aliviar e controlar os sintomas da condição. Mas, você sabe quais ervas são estas?

Neste artigo, nós trazemos as 8 melhores ervas medicinais recomendadas pelos profissionais da saúde para diabéticos. Veja!

  1. Oliveira: A oliveira é uma planta bastante eficaz no tratamento alternativo do diabetes. Seu consumo pode ser feito por meio de cápsulas ou em chá. A erva atua como um hipoglicemiante, ou seja, ela atua no controle dos níveis de açúcar na corrente sanguínea.
  2. Chá Verde: O popular Chá Verde é reconhecido pelas suas propriedades, dentre elas o controle nos sintomas do diabetes. No entanto, a bebida pode trazer ao paciente alguns efeitos colaterais, tais como insônia, pelo fato de sua composição ter cafeína.
  3. Erva-Mate: A erva-mate pode ser consumida tanto em formato de chá como em cápsulas. Embora ele também seja bastante eficaz no tratamento do diabetes, o seu consumo deve ser moderado, assim como o chá verde, pois ele contém cafeína em sua composição.
  4. Carqueja: A carqueja amarga possui ação antidiabética, por isso, pode ser utilizada em fusões, extrato, fluido e outras opções. É importante ressaltar que mulheres grávidas que estejam sofrendo de diabetes gestacional não devem consumir o chá de carqueja amargo sem antes consultar um médico especialista. Além disso, um dos efeitos colaterais da bebida é a queda de pressão.
  5. Chia: Cada vez mais presente no cardápio da população brasileira, a chia pode ser consumida tanto para ter uma alimentação melhor, quanto para tratar o diabetes. Isso porque a semente de chia é capaz de cortar a resistência à insulina.
  6. Chá de Pata de Vaca: A pata de vaca é uma erva medicinal bastante utilizada como remédio natural contra os sintomas do diabetes. Isso se dá pelo fato de seus componentes auxiliarem o pâncreas na produção de insulina, reduzindo os níveis de açúcar. Desta forma, o chá pata de vaca é uma das melhores opções para o tratamento alternativo da doença.
  7. Giseng: encontrado também em forma de cápsulas ou em pó, o popular giseng possui um papel fundamental no combate dos sintomas do diabetes. Todavia, o consumo em excesso do seu chá pode ocasionar efeitos colaterais como insônia, dores de cabeça e nervosismo.
  8. Cogumelo Reishi: O cogumelo reishi é uma erva natural que possui uma série de benefícios, incluindo o tratamento natural do diabetes. A erva medicinal ajuda a regular os índices de açúcar presentes no sangue. Além de tratar os sintomas da doença, o cogumelo reishi também auxilia a tratar outras complicações de saúde, como a pressão alta.

Chá para baixar glicose rapidamente

Você sabia que existem chás naturais que são altamente eficazes na redução rápida da glicose? É isso mesmo! O chá de canela, pata-de-vaca e a carqueja são bons medicamentos naturais alternativos que auxiliam no controle do diabetes, por conterem propriedades hipoglecimiantes que melhoram (e muito) no controle da doença.

Mas, além destas três alternativas, existem outros chás de ervas naturais, nos quais citaremos neste artigo.

Todas estas ervas medicinais auxiliam a reduzir o índice de açúcar no sangue, todavia, somente o consumo deles não são o suficiente para controlar a doença. Estes chás devem ser aliados a uma boa alimentação e a prática regular de atividades físicas. Além do mais, antes de dar início a ingestão de qualquer chá natural, é recomendado buscar um médico profissional. Dito isto, confira a seguir os melhores chás para baixar a glicose de forma rápida.

  1. Chá de canela: A canela é um alimento que auxiliar o organismo a fazer uso do açúcar, fazendo com que o mesmo presente no sangue seja reduzido.

Em sua preparação basta colocar três paus de canela em um litro de água fervente. Depois, é só esperar a temperatura amornar e beber por diversas vezes ao dia.

  1. Chá de pata-de-vaca: Erva medicinal que contém uma proteína que age de forma semelhante a insulina no corpo, auxiliando o pâncreas na produção da substância. Seu modo de preparo consiste em duas folhas da pata de vaca em uma xícara de água fervente. Depois, é só coar e beber duas vezes ao dia.
  2. Chá de carqueja: Chá que contém ação antidiabética e ajuda a manter os níveis de glicemia controlados. O seu preparo consiste em 10 gramas de carqueja amarga em 500 ml de água fervente, deixando repousar por dez minutos. A recomendação da ingestão é de três vezes ao dia.

Outros chás que auxiliam a baixar a glicose de forma rápida e eficaz

  1. Chá de sálvia: A sálvia é uma erva que contribui bastante para o controle da glicemia no sangue, auxiliando no controle da doença. Seu preparo consiste em duas folhas secas da planta em 250 ml de água fervente. Após deixar descansar por dez minutos, tome duas vezes ao dia.
  2. Chá de quebra-pedra: A famosa quebra-pedra possui extratos aquosos que trazem efeito hipoglicemiante, sendo bastante útil para a manutenção da glicemia constante na corrente sanguínea. Sei preparo consiste em uma colher de chá da folha em uma xícara de água fervente. Deixe a bebida descansar por cinco minutos, coe e beba em temperatura morna, entre três a quatro vezes por dia.
  3. Chá de insulina vegetal: Assim como o chá de quebra-pedra, a planta pedra-ume-caá contém ação hipoglicemiante, e por conta disso, ficou popularmente conhecida como “insulina vegetal”.

Para preparar a bebida, adicione duas colheres de sopa da insulina vegetal em um litro de água e deixe ferve. Depois, coe, deixe descansar por dez minutos e beba de duas a três vezes por dia.

Como e por que a cebola ajuda no combate a diabetes?

Atualmente, mais de 16 milhões de brasileiros sofrem de diabetes. A popular doença requer muita atenção e cuidado, e necessita de acompanhamento médico constante, para que a doença seja monitorada e não evolua.

Quem sofre de diabetes deve controlar os níveis de açúcar a ser consumido, além da necessidade de eliminar os quilos extras, uma vez que a obesidade é um dos principais fatores do diabetes.

Além do acompanhamento médico e das mudanças nos hábitos alimentares e de vida, também é possível combater (ou reduzir) a doença por meio de receitas naturais alternativas. Você já ouviu falar que a cebola é uma aliada no tratamento do diabetes? Pois é, não é lenda.

Através de uma receita natural que combina dois únicos ingredientes, é possível reverter a condição da doença e ter uma melhora na qualidade de vida. Que combinação é essa? Cebola e limão.

A cebola contém substâncias que auxiliam na redução dos níveis de açúcar, no controle da taxa de glicemia e também na produção de insulina – fundamental para o organismo. Vale ressaltar que a cebola age como um anti-inflamatório natural, tratando complicações na garganta, na pele, intestinos e estômago.

Já o limão, o seu consumo regular auxilia no funcionamento correto do pâncreas, limpando também a corrente sanguínea, ajudando as artérias, veias e vasos capilares a fluir.

Como utilizar a cebola no tratamento do diabetes?

A preparação desta receita natural é bastante simples. Pegue uma cebola inteira e um limão inteiro. Descasque a cabelo e esmague-a, espremendo todo o seu suco. Feito isso, junte o suco da cebola com o suco do limão. Pronto!

A mistura deve ser bebida duas vezes ao dia. Uma receita ruim? Sim, mas após poucos dias, você irá perceber que a sua diabetes estará controlada, além do nível de colesterol ruim reduzido. Vale ressaltar também que a receita natural também contribui para a perda de peso.

Como a cebola age contra o diabetes?

Apesar da sua eficácia, não se sabe ao certo como o alimento ajuda a baixar os níveis de açúcar no sangue. Especialistas acreditam que a ação da cebola se dá a substância alilo propilo dissulfureto, também conhecida como APDS. De acordo com estes especialistas, é o APDS o responsável pela diminuição dos níveis de açúcar e na elevação da insulina. Além do mais, a cabelo também é rica em cromo.

Apesar de tal alimento auxiliar no controle da taxa de glicemia, ela não é benéfica apenas no tratamento contra o diabetes. Como dito no início deste artigo, a cebola age como um poderoso anti-inflamatório, favorecendo a pele, garganta, intestinos e estômago.

Mais do que um tempero natural saboroso, a cebola também é uma grande aliada das cólicas menstruais, catarro, tosse e rouquidão. E também, o alimento também previne o desenvolvimento de doenças cardíacas e circulatórias.

E o limão?

O limão por sua vez deve ser um dos principais alimentos presentes na dieta de um diabético, pois ele apresenta uma série de virtudes. Alguma delas é a regularização no pâncreas, auxiliando na produção da insulina.

3 receitas de bolo para comer sem preocupação

Você está fazendo dieta ou sofre de diabetes? Então este artigo é para você. Mesmo com uma alimentação restrita e balanceada, de vez em quando somos tentados a comer um doce ou algo mais calórico, como um bolo.

O bolo é uma sobremesa irresistível, cujos ingredientes são ricos em calorias. No entanto, existem algumas receitas que são livres de ingredientes engordativos. Em outras palavras, trata-se de ingredientes alternativos, que fazem a substituição dos elementos calóricos, mas sem deixar de preservar o sabor e a textura.

Ficou curioso (a)? Se você passa por esses momentos de tentação, confira a seguir 3 receitas de bolo que são de fácil preparação e não engordem.

1. Bolo de fubá com coco

Ingredientes:

4 ovos (gemas e claras separadas)

2 xícaras de açúcar demerara

200 ml de leite zero lactose

1 xícara de fubá

1 xícara de fécula de batata

100 ml de óleo

½ xícara de coco ralado em flocos

1 colher de fermento em pó

Calda:

200 ml de leite de coco

200 ml de leite zero lactose

1 colher de açúcar demerara

Modo de preparo:

Por 10 minutos, bata as gemas com o açúcar. Adicione o leite, a fécula peneirados, o óleo e o fubá; até que a mistura fique homogênea. Acrescente o coco ralado, o fermento e as claras batidas, misturando aos poucos.

Coloque em uma assadeira untada e leve o bolo ao forno médio, e deixe assar por 35 minutos. Tire do forno somente quando, ao enfiar um garfo, o mesmo saia limpo. Desenforme.

Para o preparo da calda, leve ao fogo médio o leite, leite de coco e açúcar e deixe ferver. Depois de desligar, corte o bolo em pedaços e passe na calda. Depois, embrulhe todos os pedaços um a um e leve à geladeira.

2. Bolo de caneca de maçã com coco

Ingredientes:

1 maçã sem casca ralada

1 colher de aveia sem glúten

1 colher de óleo de coco

1 ovo

1 colher de coco ralado

1 colher de açúcar demerara

Canela em pó

Farinha de linhaça

Preparo: Coloque todos os ingredientes em uma caneca, polvilhando a farinha de linhaça e coloque no micro-ondas, por um período de três minutos. Depois, é só polvilhar com caneca.

3. Bolo de cenoura

Ingredientes:

3 cenouras picadas

3 ovos

150 ml de óleo

2 xícaras de açúcar mascavo

½ xícara de farinha de arroz

1 colher de fermento em pó

Calda:

125 ml de leite de arroz

60 g de cacau em pó

60 g de açúcar mascavo

Preparo: Bata no liquidificador as cenouras, o açúcar, o óleo e os ovos. Em uma tigela, misture o fermento e a farinha. Depois, junte o líquido do liquidificador e misture. Em seguida, coloque em uma forma untada e leve ao forno em temperatura média e deixe por 30 minutos. Só remova o bolo do forno, quando, ao espetar um garfo, ele sair limpo. Já no preparo da cobertura, misture todos os ingredientes ao fogo, até que a massa engrosse.

Ceia de Natal para diabéticos – O que não pode faltar e o que é proibido!

Infelizmente, as pessoas que sofrem de diabetes possuem uma grande restrição alimentar, por conta das complicações da doença. Trata-se de um grande desafio diário, mas ele piora no fim do ano, mais especificamente nas festas de Natal e Ano Novo.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), atualmente o Brasil possui 16 milhões de pessoas que sofrem de Diabetes. Tendo esta informação e a proximidade no Natal, nós trazemos algumas dicas para a ceia de Natal. O que não pode faltar na ceia dos diabéticos e o que deve passar longe?

Para descobrir a resposta, basta continuar a leitura. Vale ressaltar também que, estas dicas também podem ser aproveitadas em outras refeições, por conta do seu baixo índice calórico. Confira!

A ceia de Natal para os diabéticos

A diabetes é uma doença que requer grandes mudanças alimentares e no estilo de vida. Sendo assim, é fundamental abrir mão de alimentos industrializados, bem como os temperos artificiais que trazem altas complicações à saúde.

Sabe-se que boa parte dos alimentos consumidos durante o Natal – e que são o maior sucesso – são prejudiciais ao nosso organismo, principalmente para os diabéticos. Isso porque eles são responsáveis por aumentar o índice de açúcar no sangue e o colesterol ruim, causando não só o aumento de peso como as chances de complicações cardíacas e de pressão alta.

Por isso, por mais que a tentação seja maior, é essencial preparar uma ceia natalina mais leve e altamente benéfica. A primeira dica está na redução do consumo de sódio, que é um dos nossos principais inimigos. Isso porque o sódio eleva a pressão arterial e os riscos de um ataque cardíaco – pessoas diabéticas são mais propensas a sofrer destas complicações.

Quais são os alimentos proibidos para os diabéticos na Ceia de Natal?

  1. Bebidas alcoólicas: As bebidas que contém álcool são ricas em calorias, auxiliando no aumento dos níveis de açúcar.
  2. Arroz branco: Assim como as bebidas alcoólicas, o arroz eleva o açúcar do sangue, por conta do seu excesso de carboidrato.
  3. Frutas com alto teor de frutose: Algumas frutas como a banana, pêssego e meão são ricas em frutose, que é o açúcar natural da fruta. Portanto, evite as frutas secas e enlatadas.
  4. Refrigerantes e sucos de saquinho: Além do alto índice de açúcar, também são ricos em carboidratos.
  5. Temperos artificiais: Um dos principais vilões não só da ceia de Natal, mas da nossa alimentação diária. Estes temperos artificiais são riquíssimos em sódio, além de conterem carboidratos e açúcar.
  6. Proteína animal: A proteína animal deve ser consumida com muita moderação, especialmente as carnes de porco, costela e de cordeiro. E vale ressaltar: Por mais gostosa que seja, evite a gordura da carne.
  7. Alimentos com conservantes: Este tipo de alimento traz alto nível de sódio e conservantes.
  8. Alimentos processados: O bom e velho chocolate, e a manteiga. Dois alimentos com alto teor de gordura.
  9. Vegetais amiláceos: Vegetais como milho, ervilha e batata são ricos em amido e causam uma elevação nos índices glicêmicos. Portanto, evite comer muita batata e milho na ceia!

Alimentos permitidos para a ceia dos diabéticos

Apesar da grande restrição listada acima, temos por outro lado, algumas dicas que irão ajudar a decidir no preparo de uma ceia saudável, de modo que o sabor seja mantido, sem prejudicar a saúde.

É importante antes de tudo saber que, há uma quantidade segura para ser ingerida pelos diabéticos durante as festividades do Natal.

As mulheres que sofrem de diabetes podem consumir entre 45 a 60 gramas de carboidratos por refeição, enquanto que os homens possuem uma quantidade um pouco maior, entre 60 a 75 gramas. No entanto, estes valores não são fixos, pois tudo depende do histórico médico do paciente, bem como sua altura e massa corporal. Sendo assim, é importante consultar um médico antes.

A seguir, veja os alimentos que entram como substitutos dos alimentos proibidos, e que são igualmente saborosos:

  1. Arroz integral, quinoa ou arroz de couve-flor; no lugar do arroz branco.
  2. Frutas: Maçã, abacate e mirtilos são indispensáveis na ceia de Natal do diabético. Além de naturalmente deliciosos, eles contem um nível menor de frutose. Mas, apesar de serem permitidos, não se esqueça de medir os níveis de açúcar duas horas depois de consumir as frutas, para que você saiba como o seu organismo reage.
  3. Batata-doce.
  4. Proteínas baixas em carboidratos: Alimentos como lentilha – clássica da ceia de Natal -, ovos, sementes e nozes são proteínas com um baixo índice de carboidratos, o que é altamente benéfico ao organismo.
  5. Peixes com baixa gordura: Peixes como salmão, mariscos e até mesmo carne branca (frango), são carnes magras e com um baixo teor de gordura saturada. Além disso, eles contam com gorduras saudáveis para o coração.
  6. Alimentos grelhados: Sabe-se que os alimentos fritos não são nada amigáveis ao organismo, principalmente para o coração. Por isso, a melhor opção é grelhar estes alimentos. A gordura é eliminada e o sabor conservado. E se você pensa que somente carnes podem ser grelhadas, você está enganado. Legumes também podem ser preparados com a grelha. Outra dica é assar os alimentos ou cozinha-los a vapor.

Faça combinações inteligentes

Para complementar sua ceia, você pode fazer combinações de alguma proteína magra com algum vegetal que não seja amiláceo. Veja os exemplos a seguir: Molho de couve-flor vegana, molho de limão e tahini, aspargo com molho de pimentão, couve-flor assada, cidra de romã e maçã, lasanha de berinjela e aperitivos veganos em geral.

Apesar de o artigo ser voltado aos alimentos permitidos e a serem evitados na Ceia de Natal dos diabéticos, é sempre válido ressaltar que todos devem estar atentos à alimentação e suas porções, seja você diabético ou não. Além do mais, a prática regular de exercícios também é fundamental.

Fuja das tentações e faça substituições inteligentes de alimentos. Os festejos de Natal e Ano Novo são únicos, mas ainda assim requerem cuidados.

Receitas de doces para diabéticos tipo 2

O diabetes é uma das principais doenças que acometem os brasileiros. Mais especificamente, o tipo 2 da doença é o mais popular, e tem como principais fatores os maus hábitos alimentares e a obesidade.

Uma pessoa diabética deve controlar a sua alimentação, e uns dos principais a serem evitados são os doces. Os doces que são uma das principais tentações humanas contém, em sua maioria, um alto índice de açúcar.

No entanto, existem algumas receitas desenvolvidas especialmente para este público. Igualmente deliciosos – comparados aos doces dos “não diabéticos” -, estes doces diets conta com ingredientes substitutos, e por isso não prejudicam a saúde.

A seguir, confira 3 receitas de doces para diabéticos do tipo 2 – e do tipo 1 também.

  1. Pudim Cremoso

Ingredientes:

½ xícara de coco diet

1 xícara de adoçante

1 xícara de farinha de trigo

1 colher de margarina light

4 ovos

½ de leite desnatado

Preparo: Bata todos os ingredientes no liquidificador. Depois, coloque em uma forma e leve ao forno médio e deixe por 40 minutos, assando em banho-maria. Depois, é remova do forno, espere esfriar e finalize.

  1. Pudim de Coco Light

Ingredientes:

½ xícara de água morna

400 g de leite condensado light

290 g de creme de leite

200 ml de leite de coco

12 g de gelatina em pó sem sabor

Preparo: Hidrate a gelatina na água, acrescentando os demais ingredientes no liquidificar, com exceção da gelatina. Bata por um período de 2 minutos, adicionando a gelatina aos poucos, batendo a mistura por mais 1 minuto. Na sequência, coloque a receita em uma forma caramelada com calda de açúcar diet e deixe gelar por um período de 7 horas.

  1. Bolo de fubá diet

Ingredientes:

1 ovo

3 colheres de azeite

4 colheres de adoçante para forno

1 colher de fermento em pó

1 xícara de fubá

¾ de farinha de trigo

3 claras de ovos

1 xícara de leite desnatado

Bata as claras em neve e as reserve. Depois, bata o adoçante, a gema e o azeite por 6 minutos, acrescentando gradativamente a farinha e fubá, batendo mais um pouco. Em seguida, coloque o leite morno e bata mais um pouco. Depois, desligue a batedeira e acrescente o fermento e misture, colocando as claras em neve.  Coloque a massa na forma untada, e deixe assar por até 40 minutos.

A sobremesa para os diabéticos do tipo 2

Estas são algumas das receitas de doces desenvolvidas especialmente para os diabéticos. Além de altamente benéficos para o organismo, estas sobremesas proporcionam o emagrecimentos – desde que sejam aliados com a prática regular de exercícios.

No entanto, vale frisar que, mesmo os diabéticos podendo usufruir destas delícias, é fundamental que haja o controle e moderação.

Consulte um médico regularmente. Também é recomendado que o paciente consulte um nutricionista, para que o seu cardápio seja melhor avaliado e que também, seja recomendado outros doces especiais.

Se você gostou destas dicas, não deixe de nos acompanhar, onde nós traremos mais dicas sobre como controlar o diabetes.

 

 

 

10 tipos de chá que são bons para diabetes

Quem sofre de diabetes sabe que a doença tem como principais fatores os maus hábitos alimentares e o sedentarismo (obesidade). Por conta da correria diária, muitas pessoas deixam de cuidar da alimentação e não praticam exercícios físicos, acarretando no desenvolvimento da doença.

Além do tratamento e acompanhamento médico, também existem meios naturais que auxiliam no combate da doença. Você já ouviu falar que os chás são grandes aliados na redução do diabetes? Pois é, eles são.

A seguir, nós trazemos 10 tipos de chás que são altamente benéficos para diabetes. Confira!

  1. Chá verde: Um dos chás mais receitados para as pessoas que sofrem de diabetes é o chá verde. Isso porque o chá verde conta com propriedades antioxidantes, que ajudam no combate dos radicais livres. O preparo do chá requer que a água seja fria, do contrário, o seu gosto pode ficar muito amargo.
  2. Chá de Camomila: A camomila é um grande anti-inflamatório natural, que também ajuda na prevenção das complicações do diabetes tipo 2. O seu preparo é simples, bastando acrescentar as folhas da camomila em água fervente. Com um prato, abafe o corpo e deixe agir por cerca de 10 minutos. Em seguida, coe.
  3. Chá de pata-de-vaca: O pata-de-vaca conta com uma série de propriedades, dentre elas diurética, analgésica, laxante e depurativa. Além disso, o chá também é hipoglicêmico, ajudando na diminuição dos níveis de açúcar. Ferva a água e adicione as folhas, coando em seguida.
  4. Chá de bancha: Este chá é um tipo de chá verde bastante popular no Japão, tendo ação comprovada na diminuição da glicemia. Apesar da comparação da do bancha e o chá verde, eles possuem uma sutil diferença, que é o teor de cafeína.

Isso se dá ao fato de o bancha ser preparado com as folhas mais velhas do arbusto, que conta com menos cafeína, enquanto o chá verde é rico na substância.

A ação deste benéfico chá não se dá à atuação à insulina, mas pela ação desempenhada no metabolismo da glicose. O seu extrato por sua vez incentiva as enzimas do fígado, órgão do organismo responsável por metabolizar dos carboidratos e degradá-los em glicose.

Para obter resultados mais eficazes no tratamento do diabetes, é necessário tomar uma xícara do chá sempre após as refeições. Isso porque estes são os melhores horários onde há maiores modificações nos índices de glicose.

O seu preparo consiste na fervura da água e uma colher (sopa) de bancha. Feito isso, tampe o copo, e deixe agir por um período de 5 a 10 minutos antes de servir.

  1. Chá de Carqueja: De acordo com estudos feitos com animais, foi descoberto que o chá de carqueja- tradicionalmente usada para tratar complicações do fígado – também é muito eficaz no tratamento do diabetes.

A sua indicação para o controle da doença está na alta quantidade de polifenois, compostos fitoquímicos que dificultam a oxidação das células e protegem as funcionalidades do fígado.

E, como acabamos de ver acima, um fígado saudável é indispensável para um controle adequado da glicemia sanguínea.

Para preparar o chá de carqueja, basta adicionar duas colhes (sopa) picadas em uma quantia de 500 ml de água, deixando ferver por um período de cinco minutos. Ao desligar o fogo, cubra o recipiente e deixe agir por alguns minutos. Quando o chá estiver morno, beba-o.

  1. Chá de Sálvia: A sálvia conta com uma substância conhecida como ácido rosmarínico, que age no controle da centralização de glicose na corrente sanguínea.

Através de um estudo publicado em 2011 no portal Molecular Nutrition and Food Research, um grupo de animais de laboratórios bebeu durante 15 dias, o chá de sálvia.  Após este período de duas semanas, os pesquisadores perceberam uma alta diminuição nas taxas de glicose em jejum dos animais roedores.

Também foi constatado que estes animais submetidos ao tratamento com a planta mostraram um menor aumento dos índices de açúcar na corrente sanguínea, logo depois de ingerirem alimentos ricos em carboidratos.

Para preparar o chá, basta leva um litro de água ao fogo e 2 colheres de sopa da planta. Após a fervura do líquido, desligue o fogo e deixe abafar por um período de 10 minutos. Coe e tome durante o dia.

  1. Chá preto: Outro chá recomendados aos diabéticos é o chá preto, que é produzido por meio das folhas da Camellia sinensis. A planta apresenta polissacarídeos que bloqueiam a ação de enzimas relacionadas à conversão da absorção do amido na comida.

Também é o chá preto o responsável pela grande redução nos índices de colesterol ruim e triglicérides.

Das pessoas que participaram do estudo (300.00 no total), boa parte demonstrou que o consumo de cerca de três a quatro xícaras da bebida está ligada a uma diminuição de 25% no risco do desenvolvimento da doença. Ou seja, além de ser eficaz no tratamento da doença, o chá preto também ajuda na prevenção da mesma.

O seu modo de preparo consiste em adicionar as folhas do chá preto em água fria. Assim como o chá verde, o chá preto não precisa de água fervente.

  1. Chá de Hibisco: Um dos chás naturais mais benéficos, o chá de hibisco reduz a gordura do abdome e auxilia no controle dos índices de glicose na corrente sanguínea.

Descobriu-se recentemente que o chá ajuda no controle da glicemia e também na resistência à insulina, duas características essenciais para a prevenção e tratamento da doença.

  1. Chá de canela: Como se sabe, a canela auxilia o organismo, fazendo com que ele use o açúcar, de modo que ele diminua na corrente sanguínea.

Seu preparo é simples, bastando adicionar 3 paus de canela em um litro de água, deixando ferver por 5 minutos. Ao desligar, tampe o recipiente e aguarde ficar morno. Seu consumo deve ser várias vezes ao longo do dia.

  1. Chá de melão-de-são-caetano: Chá que possui ação hipoglicemiante, ou seja, reduz a glicemia do sangue de forma natural. É só colocar 1 colher de sopa da planta em um litro de água fervente.